segunda-feira, 5 de maio de 2008

Os jovens e a política

No seu discurso do 25 de Abril, Cavaco Silva mostrou-se preocupado com o alheamento dos jovens da política, o que contribuía para a degradação do próprio Estado.

Ninguém conhecia os resultados do estudo encomendado pelo Presidente, mas será que alguém ficou verdadeiramente surpreendido?

Eu não fiquei. E até acho perfeitamente natural que os jovens não se interessem por política. Porque os exemplos de quem está na política não encorajam os jovens a interessar-se por ela. Quase todos os dias se ouve e lê que os políticos são corruptos e mal intencionados. Será que os jovens se devem interessar por política com exemplos destes?

Além disso, e fazendo agora uma análise mais profunda, os jovens não se interessam por política porque ela dá trabalho. Para se fazer alguma coisa na política é preciso trabalhar, é preciso ler, é preciso estudar. E os jovens, pura e simplesmente, não estão para isso.

Mas o mais difícil de tudo, aquilo que mais afasta os jovens da política são as ideias. Deixem-me explicar. Hoje em dia, vivemos numa sociedade imediatista, facilitista e conformista. Nesta sociedade em que vivemos, é errado que uma pessoa pense por si, e que tenha ideias. As únicas ideias que esta sociedade permite são as ideias da moda.
E a política não está na moda. Por muito que isto desiluda o Bloco de Esquerda (que defende as causas de acordo com a moda), é inegável que as ideias políticas não estão na moda.
Para um jovem, não é "fixe" interessar-se por política. Ou melhor, para alguns jovens, até pode ser "fixe" interessar-se por política. Mas, e os amigos? O que irão eles dizer desse interesse pela política?

No fundo, o estudo do Presidente apenas lançou o debate. Porque já todos nós sabíamos que os jovens e a política estão de costas voltadas.

1 comentário:

Manuel disse...

Já Sócrates, o outro, dizia o mesmo da juventude do seu tempo...