quarta-feira, 9 de abril de 2008

O estado do PSD

Neste momento, o PSD está a assegurar uma nova maioria absoluta de Sócrates em 2009. A liderança errática, as mudanças de opinião e as contradições têm tomado conta do único partido que, em princípio, é capaz de derrotar o PS.

A liderança do PSD tem sido errática desde o primeiro dia. A partir do momento que Menezes nomeia Santana Lopes para Presidente do grupo parlamentar comete um grave erro. Claro que, para ele, era preferível ter Santana como "amigo" do que como inimigo, mas Menezes, ao fazer isto, deu a ideia de que o partido tem duas lideranças, que por vezes têm ideias diferentes. Além disso, esta nomeação fez com que Menezes ficasse refém de Santana, porque nunca o poderia demitir, visto que isso daria a ideia de desunião do partido e faria com que Santana rapidamente se tornasse numa voz crítica e num potencial candidato à liderança.

Menezes, por seu lado, vai fazendo os possíveis para se manter à frente do PSD. Em minha opinião, já deveria ter saído e dado espaço a uma nova cara para preparar o assalto ao poder em 2009.
Ao eternizar-se no cargo (apesar de lá estar há menos de um ano), Menezes vai desgastando a sua imagem, prejudicando o partido nas sondagens e, curiosamente, contribuindo indirectamente para o crescimento dos partidos de extrema esquerda.

Nos últimos dias, julgo que a situação se tornou insustentável. É inadmissível que um partido com ambições de poder prefira criticar a nomeação de Fernanda Câncio para um programa da RTP, em vez de criticar a escandalosa ida de Jorge Coelho para a Mota Engil (analisada abaixo no post "O Trampolim"). No fundo, o PSD perdeu tempo com um fait-divers, em vez de se preocupar com a promiscuidade existente entre o PSe algumas empresas.

Para terminar, e em jeito de cereja no topo do bolo, ontem Menezes teve o seu braço-direito a dizer que planeia abandonar o partido e a política activa. Era difícil um maior sinal de descrédito. O que pensarão os eleitores quando vêem o braço-direito de Menezes a querer sair por discordância de ideias?

Por tudo isto, é urgente que Menezes saia. Mas também é urgente que um eventual candidato não seja outra figura de segunda linha. Senão, teremos de aturar Sócrates por mais 4 anos...e com maioria absoluta.

7 comentários:

Anónimo disse...

O penúltimo parágrafo é todo falso.Contaram-lhe mal a história,informe-se antes de escrever para não desacreditar o blogue.O Ângelo Correia disse na SIC Notícias exactamente o contrário.

PR disse...

Caro "anónimo"

Ao não assinar o seu comentário, dá ideia de que não tem plena convicção daquilo que afirma, e que não quer ver essa afirmação conotada consigo.
Na tal conferência no ISEG, Ângelo Correia afirmou que "considera a situação actual do partido como «totalmente insatisfatória» e afirma que não sabe ainda se terá valido a pena, o seu regresso à vida política activa." (retirado do site da RTP).
Todos nós sabemos que os políticos são prudentes nas suas palavras. Na minha interpretação, Ângelo Correia deu sinais de querer abandonar o barco. Talvez a expressão "planeia abandonar o partido e a política activa" seja um pouco excessiva. Mas a minha convicção é a de que o PSD vai mal, e que Ângelo Correia irá sair nos próximos tempos.
Depois veremos quem fica desacreditado: se eu e o meu blogue ou se o senhor(a) "anónimo"..

Maria Marques disse...

Concordo, e concordo ainda mais com a necessiadde de Rui Rio, António Borges e outros de igual peso não fugirem das suas responsabilidades e apostarem já na derrota do PSD em 2009. Porque a culpa do estado calamitoso do PSD não é só de Menezes.

Anónimo disse...

Sr.PR:o que eu lhe sugeri foi que fosse à fonte(declarações do Ângelo feitas ao vivo, pelo próprio, na SIC)e se deixasse de alusões ao que terceiros disseram sobre o que o mesmo Ângelo terá dito;igualmente as suas interpretações ou "previsões" não passam disso mesmo.Eu falei de um facto,de uma realidade produzida em público,você contrapõe-lhe ditos,mexericos e palpites,alguns claramente com a intenção de produzirem um efeito político.Quanto ao anonimato,chamo-me Carlos Couceiro Bastos,e só não vi razão para o referir,por um lado,porque não sou conhecido,por outro,porque um facto concreto e verificável, como o que apontei, não deixa de o ser por por se desconhecer quem o aponta.Não fuja portanto à questão com esses subterfúgios.Procure ter uma postura honesta na análise dos factos e das situações,o que acredito que seja difícil para uma parte interessada e não isenta como você claramente é.

PR disse...

Caro Sr. Carlos Couceiro Bastos:

Quanto a um eventual "efeito político" destas minhas declarações, pode desde já ficar descansado. Por vezes, podem surgir equívocos quanto à minha identidade, mas posso desde já garantir-lhe que a sigla PR não significa Presidente da República.
Em segundo lugar, queria apenas dizer-lhe que a finalidade deste blogue não é informativa. Este blogue existe para eu partilhar as minhas ideias, crenças e previsões com todos aqueles que estejam interessados em vir lê-las. Como tal, não me pode pedir que me limite a colocar aqui meras transcrições de notícias, e que tente ter audiências na blogosfera com isso.
Para informar, existem os órgãos de informação. Eu limito-me a analisar criticamente a informação que recebo e a partilhá-la com todos os interessados.
Nada mais.

carlos couceiro bastos disse...

Tudo bem,sr.PR,mas acha que tudo o que alega o autoriza a divulgar inverdades?

PR disse...

Caro Sr. Carlos Couceiro Bastos

Devo dizer-lhe, antes de responder, que esta nossa troca de impressões tem sido extremamente enriquecedora, e que espero contar consigo, como leitor e como crítico, para algumas discussões aqui neste blogue.
Respondendo agora ao seu último comentário, devo dizer-lhe, com todo o respeito, que continua a confundir as coisas. Neste já famoso post, eu referi que Ângelo Correia "planeia deixar o partido". Na minha primeira resposta, fiz mea culpa, e admiti que a expressão "planeia" talvez fosse excessiva.
Mas, sendo este blogue um espaço onde eu analiso certos acontecimentos da actualidade, se eu digo que alguém planeia algo não implica que eu tenha conhecimentos de causa acerca disso. Eu desconheço em absoluto os planos concretos de Ângelo Correia. Limitei-me a deduzir que, pelas declarações que ele proferiu, será provável que, num futuro próximo, ele venha a sair do partido por discordâncias com Luís Filipe Menezes.
Dito isto, não vejo onde está a inverdade. Aqui, vejo apenas e só uma opinião de carácter pessoal.
Se está certa ou errada? Esperemos para ver.