sexta-feira, 25 de abril de 2008

E Santana avançou...

No post abaixo, falei de uma eventual candidatura de Santana Lopes à liderança do PSD, antes de ela ter sido publicamente anunciada.
Era em momentos como esse que gostava que este blogue fosse mais lido, sobretudo até pelo próprio Santana Lopes, para que ele aceitasse os meus humildes conselhos.

No entanto, a esfera de influência deste blogue é bastante baixa, e estou certo que Santana Lopes não leu o meu apelo ou, se por acaso o leu, ignorou-o. Mas não o deveria ter feito.

Se Santana Lopes perde as eleições do PSD, perde mais uma das suas (muitas) vidas políticas. Mas desta vez, perde-a dentro do seu próprio partido, o que contribuirá para um maior descrédito acerca das suas capacidades. Uma derrota nestas eleições para a liderança do PSD irá acabar com muitas das esperanças políticas que Santana ainda pudesse ter para, num futuro mais longínquo, poder voltar ao Governo. E irá, definitivamente, fazer com que Santana vá “andar” para outros lados, em vez de “andar por aí”, como fez até agora.

Por outro lado, se Santana ganha, irá dar a última estocada num partido que, neste momento, está moribundo. Além disso, a vitória de Santana é a melhor coisa que pode acontecer a Sócrates, que pode ter uma vida descansada até às eleições, já que tem como opositor a pessoa que derrotou de forma clara nas últimas eleições.

Se Santana ganhar, é bastante provável que o PSD tenha os seus dias contados. E é bastante provável que Sócrates volte a ter uma legislatura calma, de 4 anos, com maioria absoluta.

Por tudo isto, é urgente que os militantes do PSD não escolham Santana para presidente do partido. Uma vitória de Santana será o fim do PSD, e uma derrota fará com que ele se afaste durante algum tempo, permitindo que o PSD tenha, ao fim de alguns anos, uma liderança estável e capaz de, em 2009, conseguir pelo menos retirar a maioria absoluta ao PS.

2 comentários:

Maria Marques disse...

Até a realidade me desmentir, vou acreditar que os PSDs não uns absolutos doidos varridos e sabem que nunca PSL pode voltar a ser líder do PSD. Quase diria que não há risco disto suceder.

PR disse...

Concordo em absoluto consigo. Mas o facto de PSL ser candidato abre logo uma possibilidade, ainda que pequena, de que isto ocorra.
Mas onde é que ele tinha a cabeça quando avançou?